MÚSICA

Ano de lançamento: 2010
Gravadora: Sony Music
Produção: Kassin
Certificação: Disco de Platina
Prêmio:

Prêmio de Música Brasileira  - Melhor cantora (2011)

1. O Tal Casal 4:20
2. Fiu Fiu 4:17
3. Te Amo 3:36
4. Meu Aniversário 3:00
5. Vê Se Fica Bem 4:02
6. Bolsa de Grife 2:45
7. As Palavras 4:10
8. Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias 4:21
9. 4:38
10. Moro Longe 3:23
11. O Masoquista e o Fugitivo 3:23
12. Quando Amanhecer 3:19
  • O Tal Casal

    Vanessa da Mata

    Depois que o mal tempo foi
    Eu vi você chegando
    Trazia o rosto doce, bom e aliviado
    Nada mais incerto
    Passava também um tempo

    Voltávamos a ser então o tal casal
    Apaixonado, apaixonado

    Gostei de ser de quem me gosta
    Eu aprendi
    Querendo a vida bem mais fácil
    Eu resolvi
    É tão melhor viver em paz
    Ninguém me faz sentir assim

    Agora mais que nunca somos o tal casal
    Apaixonado, apaixonado

    E não adianta alguém
    Querer que não seja assim
    Isso aqui não é o mal
    E se anula por si só
    E não adianta ir
    Tentar se esconder, fugir
    Sabedor é quem está
    Amadurece e recebe
    O presente... presente...

    Gostei de ser de quem me gosta
    Eu aprendi
    Querendo a vida bem mais fácil
    Eu resolvi
    É tão melhor viver em paz
    Ninguém me faz sentir assim
    Ninguém me faz sentir assim
    Ninguém me faz sentir

  • Fiu Fiu

    Vanessa da Mata

    Fui ver
    Achei que engordei alguns quilinhos
    Tentei a calça jeans que eu gostava
    Da época da minha adolescência,
    ascendência, sei lá
    Saí
    Pensei: sou carta fora do baralho
    Ou essa calça jeans é de infância
    Ou eu engravidei nos meus quadris
    Ave, chavê, vixe

    Eu passei por uma construção
    Várias sacolas na mão
    Um peso e um passo, um passo,
    um passo, um passo
    Ih, ouvi um assovio, que distraiu o peso
    Me mudou de lugar, aha
    Cantada barata
    Reta sem palavra
    Passarinho bom
    Engenhosa técnica, poeminha em música
    Ele me ganhou

    Mais que um hino de futebol
    Canarinho,
    Clássico desafio de domingo
    Literatura de cordel
    Amarrada em meu vestido
    Ele me ganhou
    Canarinho
    Mais que um hino de futebol
    Nunca mais eu ouvi
    Que perigo
    Literatura de cordel
    Tatuada em meu tornozelo
    Ele me levou

    Livre
    Mas não tão leve como no passado
    Não posso, mas adoro porcaria
    Adoraria ser que nem palito,
    mastro, cetro, poste
    Homens
    Nós não nos entendemos como antes
    Eles adoram mulheres air bag
    E nós emagrecemos para as amigas, inimigas todas

    Eu passei por uma construção
    Várias sacolas na mão
    Um peso e um passo, um passo,
    um passo, um passo
    Ih, ouvi um assovio, que distraiu o peso
    Me mudou de lugar, aha
    Cantada barata
    Reta sem palavra
    Passarinho bom
    Engenhosa técnica, poeminha em música
    Ele me ganhou

    Mais que um hino de futebol
    Canarinho,
    Clássico desafio de domingo
    Literatura de cordel
    Amarrada em meu vestido
    Ele me ganhou
    Canarinho
    Mais que um hino de futebol
    Nunca mais eu ouvi
    Que perigo
    Literatura de cordel
    Tatuada em meu tornozelo
    Ele me levou

    Fui ver
    Achei que engordei alguns quilinhos
    Tentei a calça jeans que eu gostava
    Da época da minha adolescência,
    ascendência, sei lá
    Saí
    Pensei: sou carta fora do baralho
    Ou essa calça jeans é de infância
    Ou eu engravidei nos meus quadris
    Ave, chavê, vixe

  • Te Amo

    Vanessa da Mata

    Mas o pior não é não conseguir
    É desistir de tentar
    Não acredite no que eles dizem
    Perceba o medo de amar
    Eu cresci ouvindo anedotas, clichês e
    Chacotas
    Frustrações
    Sobre amasiar, se casar
    Se entregar seria fraquejar

    Te amo, te amo, te amo

    E se o tempo levar você
    E um dia eu te olhar e não te reconhecer
    E se o romance se desconstruir
    Perder o sentido
    E eu me esquecer por ai
    Mas nós somos um quadro de Klimt
    "O Beijo" para sempre fagulhando em cores
    Resistindo a tudo seremos
    Dois velhos felizes
    De mãos dadas numa tarde de sol
    Pra sempre

    Te amo, te amo, te amo

  • Meu Aniversário

    Vanessa da Mata

    Hoje é meu aniversário
    Corpo cheio de esperança
    Uma eterna criança, meu bem
    Hoje é meu aniversário
    Quero só noticia boa
    Também daquela pessoa, oba

    Hoje eu escolhi passar o dia cantando
    De hoje em diante
    Eu juro felicidade a mim
    Na saúde, na saúde, juventude, na velhice
    Vou pelos caminhos brandos
    A minha proposta é boa, eu sei
    De hoje em diante tudo se descomplicará
    Com um nariz de palhaço
    Rirei de tudo que me fazia chorar
    Cercada de bons amigos me protegerei
    Numa mão bombons e sonhos
    Na outra abraços e parabéns

    Quero paparicações no meu dia, por favor
    Brigadeiros, mantras, músicas
    Gente vibrando a favor
    Vamos planejar um belo futuro pra logo mais
    Dançar a noite toda
    Fela Kuti, Benjor e Clara

    Parabéns, Bianca!
    Parabéns, Felipe!
    Parabéns, Micael!
    Parabéns, Mateus!
    Parabéns, Artur!
    Parabéns, Luisa!
    Parabéns, eu! Parabéns, eu!

    Parabéns, Brendon!
    Parabéns, Guiga!
    Parabéns, Mayanna!
    Parabéns, João!
    Parabéns, Duda!
    Parabéns, Dri!
    Parabéns, eu! Parabéns, eu!

  • Vê Se Fica Bem

    Vanessa da Mata

    Todo mundo quer um alguém
    para amar
    Geralmente é o que acontece
    Você me quer bem
    Mas não vai muito além
    Para não me assumir

    Vejo os casais
    Nas calçadas de mãos dadas
    E os nossos amigos me pedem paciência
    Dizem que o romance anterior
    foi ruim
    E você desconta em mim
    Sofro com a ilusão que me traz
    O meu coração se desfaz
    Toda vez que vai me apresentar
    como amiga

    Vê se fica bem, meu bem
    Vê se dorme bem, meu bem
    Pois não estarei pra te cuidar
    Nem pra te mimar
    Vê se fica bem, meu bem
    Vê se come bem, meu bem
    Pois não estarei pra te cuidar
    Nem pra te salvar

    Todo mundo quer
    Um alguém para amar
    Geralmente é o que acontece
    Você me quer bem
    Mas não vai muito além
    Para não me assumir

    Não se trata pra não se entregar
    Paciência não me refaz
    Sei que a vida pode
    e deve me dar
    Alguém inteiro

    Vê se fica bem, meu bem
    Vê se dorme bem, meu bem
    Pois não estarei pra te cuidar
    Nem pra te mimar
    Vê se fica bem, meu bem
    Vê se come bem, meu bem
    Pois não estarei pra te cuidar
    Nem pra te salvar
    Nem pra te salvar

  • Bolsa de Grife

    Vanessa da Mata

    Comprei uma bolsa de grife
    Mas ouçam que cara de pau.
    Ela disse que ia me dar amor
    Acreditei, que horror
    Ela disse que ia me curar a gripe
    Desconfiei, mas comprei
    Comprei a bolsa cara pra me curar do mal
    Ela disse que me curava o fogo
    Achei que era normal
    Ela disse que gritava e pedia socorro
    Achei natural

    Ainda tenho a angústia e a sede
    A solidão, a gripe e a dor
    E a sensação de muita tolice
    Nas prestações que eu pago
    Pela tal bolsa de grife (2x)

    Nem pensei
    Impulso
    Pra sanar um momento
    Silenciar barulhos.
    Me esqueci de respirar
    Um, dois, três
    Eu paro
    Hoje sei que tenho tudo
    Será?
    Escrevi em meu colar
    Dentro há o que procuro

    Ainda tenho a angústia e a sede
    A solidão, a gripe e a dor
    E a sensação de muita tolice
    Nas prestações que eu pago
    Pela tal bolsa de grife (2x)

    Meu amigo comprou um carro pra se curar do mal

  • As Palavras

    Vanessa da Mata

    As palavras saem quase sem querer,
    Rezam por nós dois.
    Tome conta do que vai dizer.
    Elas estão dentro dos meus olhos
    Da minha boca, dos meus ombros
    Se quiser ouvir
    É fácil perceber

    Não me acerte
    Não me cerque
    Me dê absolvição
    Faça luz onde há involução
    Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
    Reabilite o meu coração

    Tentei
    Rasguei sua alma e pus no fogo
    Não assoprei
    Não relutei
    Os buracos que eu cavei
    Não quis rever
    Mas o amargo delas resvalou em mim
    Não me deu direito de viver em paz
    Estou aqui para te pedir perdão

    Não me acerte
    Não me cerque
    Me dê absolvição
    Faça luz onde há involução
    Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
    Reabilite o meu coração

    As palavras fogem
    Se você deixar
    O impacto é grande demais
    Cidades inteiras nascem a partir daí
    Violentam, enlouquecem ou me fazem dormir
    Adoecem, curam ou me dão limites
    Vá com carinho no que vai dizer

    Não me acerte
    Não me cerque
    Me dê absolvição
    Faça luz onde há involução
    Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
    Reabilite o meu coração

  • Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias

    Vanessa da Mata

    Vá, Didi, vá comprar leite e açúcar
    No mercadinho que é mais perto
    Quer bolo de fubá
    Mas não ajuda
    Vá de bicicleta, de bicicleta (2x)

    É simpatia contra dispersão
    Rejeição, desilusão
    As sete ervas dos bons caminhos
    Arruda ajuda
    Quem disse que faniquito não cura
    Quem disse que açúcar e afeto não podem curar

    A vó dizia que era perfeição
    Tradição e evolução
    Era o bolo que todos gostavam
    Do Flamengo ao Corinthians
    E a molecada espalhada voltava
    Tinha o dom de agregar quem brigava

    Traz amor em três dias
    Ou o seu dinheiro de volta

    É simpatia contra dispersão
    Rejeição, desilusão
    As sete ervas dos bons caminhos
    Arruda ajuda

  • Vanessa da Mata e Lokua Kanza


    Não fale mais
    Leve o que é seu e só

    Que o sol já vem
    E com ele outro dia

    Se descobrir
    Vá crescer
    Entender e saber
    O que quer, quem você quer.
    Não me faça mais chorar
    Como se eu fosse nada
    Para o ego do meu bem
    Quantas você tem
    Quantas você faz sofrer
    Seduzindo o mundo
    Quantas ficam ao seu bel-prazer

    Cresça
    Me deixe em paz
    Mesmo que eu sofra mais
    Agora tudo é seu
    Amanhã serei bem mais feliz


    Se descobrir
    Vá crescer
    Entender e saber
    O que quer, quem você quer.
    Não me faça mais chorar
    Como se eu fosse nada
    Para o ego do meu bem
    Quantas você tem
    Quantas você faz sofrer
    Seduzindo o mundo
    Quantas ficam ao seu bel-prazer

    Preciso ser mais forte
    Para não voltar atrás
    Aliviando o desespero
    Para adiar o sofrimento

    Cresça
    Me deixe em paz
    Mesmo que doa mais
    Agora tudo é seu
    Amanhã serei bem mais feliz

  • Moro Longe

    Vanessa da Mata

    Você me chama como quem diz é logo ali
    Saindo agora eu chego só três horas lá
    Três conduções, olhar um sorvete e não tomar
    Levar um lanche e só chegar na madrugada
    Desbravamento, expedição, confusão
    Só um beijinho, eu sinto muito
    Não vai ser bom
    Um copo d'água, um cafuné
    Pra começar
    Alguma hora se Deus quiser
    Eu vou chegar

    Quero pão novo
    Pouca conversa
    Uma casa aberta
    Um ótimo vinho
    Flores do campo
    Banho quentinho
    Uma sobremesa
    Um atrevimento
    Dedicação
    Muito carinho
    Derretimentos
    Pra compensar

    Porque eu moro longe, no fim do
    mundo
    Se eu for aí, faça valer a pena
    Porque eu moro longe lá aonde
    ninguém vai
    Se eu for aí faça valer a pena

  • O Masoquista e o Fugitivo

    Vanessa da Mata

    Há gente que escolhe sorrir
    Há gente que escolhe chorar
    Você escolheu a segunda opção
    E eu escolhi sair
    Não gosto de masoquismos
    Eu prefiro me divertir

    A nossa relação tem tudo pra não dar certo
    Você só quer perder
    E nada que fica assim pode vencer

    Eu insisto em ser feliz
    Mesmo que minhas condições me testem
    Eu insisto em ser maior
    Pra estar sempre melhor

    Há gente que escolhe sorrir
    Há gente que escolhe chorar
    Você escolheu a segunda opção
    E eu escolhi sair
    Não gosto de masoquismos
    Eu prefiro me divertir

    Pois vá adiante
    Que eu vou adiante
    E assim quem sabe
    Você chorando
    Será de um jeito seu completo

  • Quando Amanhecer

    Vanessa da Mata e Gilberto Gil

    Quando amanhecer será
    Para iluminar você
    Vai anoitecer o dia
    Se não vier

    Mas se for presente
    Tudo iluminará
    Meu humor, meu coração
    Como deve ser se
    Ser como Deus quer for
    Milagre, resignação
    Roupa colorida
    Alegria às vistas,
    indescência, indiscrição
    Seu cheiro me achando
    Minh'alma perdida
    Direi que é céu no chão

    Quando anoitecer será
    Para te fazer dormir
    Estrelas que nem brilhantes
    Pra te vestir
    Vai saber que Deus fez
    As damas da noite
    Preparando o seu buquê
    Como vai dizer não
    Se tudo o que eu vejo
    Está aqui pra te servir

    A mais bela roupa
    Roupa de ir à festa
    Coloquei pra te esperar
    Disco na vitrola
    Uma vela acesa
    E a lua mais cheia

    Quando o sol nascer será
    Para desenhar você
    Ou será você que virá pro sol nascer